Isolamento acústico ou acondicionamento acústico?

A intimidade fica seriamente comprometida quando o ruído ecoa nos diferentes cantos dos nossos quartos, sem falar no desconforto, e nos danos para a saúde, inerentes a uma exposição excessiva ao ruído. O excesso de ruído não causa apenas efeitos prejudiciais óbvios na audição. Está também associado a distúrbios do sono, problemas cognitivos e doenças cardiovasculares. Em ambientes profissionais, como uma sala de conferências ou um espaço de trabalho que requer um ambiente acústico adequado, o ruído pode ser um problema grave que afeta negativamente o desempenho e a produtividade. Conceber um edifício com as condições adequadas de proteção acústica é tão importante, em termos de conforto e bem-estar, quanto respeitar as garantias de eficiência energética. Um edifício sem proteção acústica adequada é um problema sério. E resolvê-lo é fundamental. Quais são as diferenças entre isolamento e condicionamento acústico? De que estamos a falar quando falamos de absorção acústica?

Diferentes mas complementares: isolamento e acondicionamento acústicos

 O próprio CTE (Código Técnico da Edificação), na atualização do seu Guia de aplicação da proteção DB HR para o o ruído, estabelece a definição de ambos os conceitos. Entender a natureza destes conceitos-chave para a acústica arquitectónica, ajuda-nos a destacar a importância desta proteção neste âmbito.

  • Isolamento acústico:

 O isolamento acústico é geralmente entendido como o conjunto de procedimentos que são usados ​​para reduzir ou, diretamente (sem dúvida, o mais desejável), evitar a transmissão de ruído; que pode ser aéreo ou estrutural. Ruídos podem ser espalhados, ou de um gabinete para outro; ou de fora para dentro de um recinto, ou, precisamente, o contrário: do recinto para o exterior. Quando se fala de “isolamento” em si, dois compartimentos diferentes são sempre levados em conta: o ruído é gerado num deles e propagado para o próximo. O isolamento acústico que é verdadeiramente relevante é o chamado isolamento in situ ou final do edifício. Obviamente, o isolamento obtido in situ é sempre inferior ao chamado isolamento teórico ou laboratorial. Especialmente quando falamos de edifícios em renovação, pois podem ter defeitos na execução (falta de estanqueidade na colocação da obra de carpintaria, presença de entulho, etc.) ou conter pontes acústicas (por exemplo devido a instalações de dutos que não foram executados de forma conveniente).

Portanto, e como indicado no supracitado DB HR Guide: “(isolamento acústico) depende não apenas dos elementos de construção projetados para a separação entre os diferentes compartimentos, mas também dos encontros entre eles e a execução dos mesmos.”

Os valores limite de isolamento acústico podem ser agrupados em três tipos:

– Ruído interior: ar e impactos entre recintos de construção.

– barulho vindo de fora.

– Ruído vindo de outros edifícios.

  • Acondicionamento acústico:

A primeira diferença notável do conceito anterior de isolamento é que, quando falamos de condicionamento acústico, é para se referir a um único recinto. Isso significa que o som é gerado e percebido na mesma sala. Entendemos, portanto, que o isolamento acústico se refere às medidas conjuntas que são tomadas para obter aquele local para alcançar as condições acústicas adequadas e um bom ambiente de som interno. Tudo isso levando em conta a funcionalidade do prédio. Por exemplo, certas dedicadas às atividades de ensino, restaurantes, instalações ou salas de conferência podem tornar-se lugares de pesadelo para seguir ou manter uma conversa, é um verdadeiro desespero. É aí que entram as medidas de condicionamento acústico.

Esses lugares citados como exemplos são excessivamente “ruidosos” porque tendem a ser superfícies reflexivas acusticamente. Ter um tamanho amplo em termos gerais, geralmente tem muito pouca absorção. E é aí que surge um termo interessante em relação aos fenómenos da proteção sonora: a absorção acústica.

Absorção acústica e tempo de reverberação: chaves do acondicionamento

No âmbito do condicionamento acústico, existem dois conceitos absolutamente fundamentais: o tempo de reverberação e a absorção acústica.

Quando dizemos que um lugar tem muito pouca absorção acústica, isso significa que o som permanece por mais tempo do que deveria no ambiente; o que inevitavelmente leva a que, pouco a pouco, os níveis de ruído de fundo aumentem. O som propaga-se na forma de ondas em várias direções, refletindo em todas as superfícies. Essas “reflexões” são a persistência da energia sonora, mesmo quando a principal fonte que as provoca desaparece. Esse fenómeno é conhecido como “reverberação”. A absorção acústica implica, portanto, a diminuição da energia acústica em um determinado local. Que se dissipa em energia térmica, para ser absorvida pelo meio que atravessa.

Limitar a reverberação será essencial para atingir os padrões corretos de conforto acústico. No entanto, apesar dos exemplos mencionados acima (salas de aula, restaurantes, salas de conferência …), as áreas comuns dos edifícios são lugares que não devem ser negligenciados em sua relação com o isolamento acústico que já discutimos. Porque se as áreas comuns de um edifício tiverem uma boa absorção acústica, isso resultará na melhoria do isolamento em relação aos compartimentos adjacentes.

Os objetivos de isolamento e condicionamento, portanto, podem ser combinados na obtenção de uma proteção acústica de alto potencial.

Uma placa que silencia tudo? Silentboard da KNAUF

 Consciente da grande importância de gerar espaços saudáveis acusticamente, a KNAUF fornece soluções adaptadas a estas necessidades de conforto. Knauf Silentboard é a nossa Placa Premium de alta densidade. Com um núcleo melhorado, Silentboard proporciona um isolamento exclusivo no mercado: 71 dBA com apenas 15,5 cm de espessura. É, portanto, a solução ideal, única no mercado, para isolamento acústico excepcional e alto desempenho contra baixas frequências. É capaz de isolar o ruído da frequência na qual o alcance audível do ser humano começa (20 Hz). E o seu uso é universal: novas construções, reformas, divisórias, tetos, paredes … É especialmente recomendado para edifícios que exigem isolamento acústico e resistência ao fogo, como hospitais, escolas, centros culturais, hotéis e residências. Qual a sua experiência com isolamento e condicionamento acústico? Quer saber mais sobre as possibilidades do KNAUF Silentboard? Contacte-nos. Estamos encantados de esclarecer as suas dúvidas em relação à proteção acústica.

2019-03-11T13:24:32+00:00Bio habitabilidade|

Deixe um comentário