12 Meses: 12 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Sustentabilidade também é…

12 Meses: 12 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

“A verdadeira viagem de descoberta não consiste apenas em procurar novas paisagens, mas em ter novos olhos,”– Marcel Proust.

 

Muito mais do que um Congresso: 30 Visões de Sustentabilidade

 Na Knauf estamos há muito tempo (basicamente desde a nossa origem…), a pensar na necessidade primordial de um caminho para o desenvolvimento sustentável. Se não formos capazes de repensar o uso eficiente de nossos recursos energéticos, não há desenvolvimento possível. Pouco a pouco, temos vindo a ser um agente cada vez mais influente, contribuindo para a mudança ideológica e educacional, tão importante para avançar em equilíbrio com o nosso planeta.

No passado dia 4 de outubro, fomos parte de algo emocionante. Organizamos o I Congresso Internacional sobre Desenvolvimento Sustentável: 30 Visões de Sustentabilidade . Neste evento único a nível mundial conseguimos juntar, pela primeira vez, uma ampla seleção de peritos no âmbito da sustentabilidade, tais como Michael Braungart, Anupama Kundoo, Marilyn Mehlmann, Antonio Lucio, Walter Stahel, Heiner Benking, Sylvia Lorek ou James Greyson.

A conferência surgiu como um caminho natural, o resultado da necessidade de fornecer um orador adequado para a apresentação do livro que tivemos a honra de iluminação: 30 Visões de Sustentabilidade. Um compêndio ilustrativo que inclui 30 visualizações de 30 especialistas nos diferentes aspectos que orbitam em torno da grande questão do desenvolvimento sustentável. Trinta vozes que se estendem como ramos de pensamento e que nos fazem refletir sobre o maior desafio do nosso tempo: repensar nossas abordagens de produtividade, consumo e hábitos de vida em busca da sobrevivência do planeta. Um legado rico para as gerações futuras.

 

Muito mais do que um Manifesto: 12 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

O compromisso continua. Como encerramento de um congresso apaixonante e de grande sucesso, que contou com cerca de 300 participantes, e mais de uma quinzena de especialistas em direito sustentável, foi lido e subscrito pelos presentes o Manifiesto por um Pacto Sustentável: Lugares mais saudáveis e sustentáveis .

Mas na Knauf, e em nome de todos aqueles que querem tornar possível um planeta cada vez mais livre de resíduos, e numa altura em que as alterações climáticas são um facto, continuamos a reforçar o nosso compromisso com o documento firmado naquele dia. Portanto, os cinco pontos iniciais do nosso Manifesto, que resumem as principais coordenadas para alcançar um futuro sustentável para todos os habitantes do planeta, continuam a evoluir. Continuamos fazer perguntas que gostaríamos de partilhar consigo. Questões de sustentabilidade que nos fazem refletir e atuar diretamente, junto das nossas comunidades.

E dessa ânsia em transformar um desafio em hábito, surge uma nova iniciativa. Queremos compartilhar consigo a enorme importância de manter um compromisso firme com o meio ambiente. E para entender isso, o trabalho em busca da construção de um mundo sustentável, parte da reflexão individual e da ação direta junto da nossa própria comunidade. Em 2019 convidamo-lo a não apenas se juntar ao nosso #Manifesto Sustentável, mas a integrar estes pontos na sua vida: Que estes 12 meses sejam traduzidos em 12 objetivos de Desenvolvimento Sustentável, capazes de revolucionar cada átomo da nossa realidade. Nada é insignificante e cada minuto conta. Porque a sustentabilidade também é … repensar toda a nossa vida.

Janeiro. A ciência da eficiência: Eficiência energética e reabilitação

eficiencia energética

O valor de um edifício também é medido pela quantidade de energia que gasta. O setor da construção é responsável por 40% do consumo total de energia. O impacto que tem no meio ambiente, nesse sentido, só pode levar a um repensar dos conceitos, estratégias, sistemas e fórmulas associados ao urbanismo nos seus diversos aspectos. Nesta necessária mudança de paradigma, em busca da eficiência energética, todos os agentes sociais devem intervir. Dos urbanistas ao consumidor final: a consciência da saúde de um edifício em termos de energia tem que ser global. Por exemplo, através da avaliação resultante das Certificações energéticas dos edifícios. Para nos manter informados, temos, por exemplo, instituições como o IDAE (Instituto de Diversificação e Poupança de Energia) e o seu Serviço de Informação ao Cidadão sobre Eficiência Energética e Energias Renováveis (SICER). Sem dúvida, é hora de nos fazer perguntas tão pertinentes como: Os edifícios que habitamos, que perdas energéticas têm? Onde podemos localizar essas perdas e como podemos reduzi-las? Os nossos prédios possuem um bom isolamento, que contribui para um maior conforto e melhores padrões de sustentabilidade?

Fevereiro. “Castelos no ar”: Redefinamos a prosperidade

prosperidad

Dizia Thoreau na sua emblemática obra transcendental Walden, na qual narra as suas experiências de interação com a natureza: ” Se construirmos castelos no ar, a sua obra não se vai perder: aqui estão bem edificados. Só temos que colocar cimento por baixo”.  O que é, efectivamente, o iniciador e o mais importante que debem o fato de ser coerente com os conceitos que nos são apresentados. Uma revisão conceitual é o primeiro passo na estrada. O que é prosperidade? É um conceito que associamos em nossas empresas com aumento da renda per capita e, consequentemente, do consumo. Mas essa dinâmica frenética apenas levou a um crescimento descontrolado e elimina outros pilares essenciais para o bem-estar humano. Não seremos capazes de alcançar a prosperidade necessária, nossas necessidades de descanso, ritmo de qualidade familiar, cuidado de amizades, autocuidado e enriquecimento pessoal. Quantas horas de sono respeitamos por dia? Quanto tempo dedicamos aos nossos entes queridos?

Março. “Be water, my friend”: Pensemos na água

agua

A água geralmente não atrai a mesma atenção perturbadora que a energia na mídia. No entanto, a água doce é um elemento vital na indústria, na agricultura e na vida diária da nossa existência. Nós tendemos a pensar que as medidas para enfrentar o uso sustentável da água se referem à poupança em nossas casas. Mas você sabia que esse consumo implica apenas cerca de 4% em termos globais? De onde vem o consumo restante e o que podemos fazer para incentivar seu uso eficiente e responsável? De mãos dadas com as teorias do professor Arjen Hoekstra, criador do conceito de “Pegada Hídrica” e um dos especialistas que participaram do nosso livro 30 Visões de Sustentabilidade, refletiremos sobre todas as implicações da água em nossa vida. Quanta água consumimos e poluímos toda vez que produzimos ou construímos?

Abril. “Tudo está em movimento…”: Presente e Futuro da mobilidade sustentável

movilidad sostenible

Mais da metade da população mundial vive nas cidades. Os dados demográficos apontam para um futuro não tão distante (ano 2050), em que dois terços dos seres humanos do planeta viverão em centros urbanos. É fundamental, portanto, questionar se estamos nos movendo de forma sustentável e como podemos melhorar a mobilidade em nossas cidades sem comprometer o bem-estar, a qualidade de vida e o meio ambiente. O transporte majoritário através de veículos particulares, como o concebemos até agora, é um dos principais responsáveis ​​pela produção de gases de efeito estufa. Mas há outros fatores, como o tempo de deslocamento ou espaço (um bem muito precioso nas cidades) que ocupam nossos meios de transporte … Que medidas podemos adotar em nossas vidas para contribuir para os deslocamentos de qualidade? Quais são as características que definem a mobilidade sustentável? Como os veículos irão interagir com cidades inteligentes no futuro próximo? Qual é o papel dos cidadãos nas políticas de transporte público?

Maio. Tudo está conectado: Circulamos pela economia circular

economía circular

A visão sistémica deve superar a visão reducionista: o círculo deve substituir a linha. Tudo está conectado na natureza e em nossas vidas. Essa abordagem nos levará a entender que a sustentabilidade é um quebra-cabeça orgânico no qual cada uma das peças é tão importante e fundamental quanto a anterior e a posterior. E que nenhum deles faz sentido em desconexão com os outros. Nos processos de produção, manter uma visão de que o “começo” e o “fim” dos objetos contribuem para a geração de resíduos, o desperdício de materiais e a poluição do planeta. Redução, reutilização e reciclagem: Como aplicamos os três “R” fundamentais da economia circular em nossas vidas? Parafraseando Walter Stahel, tratamos objetos como chiclete ou bichos de pelúcia?

Junho. “banho forestal”: Desconecta e reconecta com a natureza

naturaleza y medio ambiente

É quase popular que os japoneses tenham um vínculo especial com a natureza. Na sua linguagem há termos e expressões muito sugestivos em relação a isso. Um deles é, por exemplo, “Sinrinyoku” [森林 浴]. O que poderíamos traduzir como “banho da floresta” ou “banho da floresta”. Refere-se ao ato de caminhar dentro de uma floresta, contemplando sua beleza e deixando-se envolver na tranquilidade desse sentimento de imensidão. Diz-se que a prática de sinrinyoku tem benefícios para a saúde: é um ato terapêutico. Queremos recuperar o vínculo que nos une à terra e celebrar com vocês todo o mês de junho como uma extensão do Dia Mundial do Meio Ambiente, declarado pela ONU a cada 5 de junho desde 1972 para conscientizar todos os membros da sociedade civil e política. de todos os países do mundo. Queremos que você se desconecte e se reconecte com a origem da vida. Que gestos cotidianos podemos fazer para entrar em contato com o meio ambiente?

Julho. Outro turismo é possível: Turismo e desenvolvimento sustentável

turismo sostenible

Quando as cidades ou regiões mais turísticas do planeta começam a se tornar autênticos parques de diversões do pesadelo, então claramente é urgente que mudemos nossa abordagem. O turismo de massa descontrolado, extremamente agressivo, tem um efeito muito pernicioso nas áreas que visita. É hora de propor uma atividade turística que amortece seu impacto ambiental e que, além disso, reverte positivamente o desenvolvimento da economia local, o patrimônio cultural e a preservação da biodiversidade. Você conhece o conceito de desaceleração em relação ao turismo? Você sabia que as primeiras práticas de ecoturismo datam do início do século XX? O que podemos fazer para aproveitar a incrível experiência de viajar da maneira mais sustentável e enriquecedora possível?

Agosto. Seguindo o rasto da Pegada Ecológica: Por um consumo responsável

consumo responsable

A população mundial está em situação de “déficit ecológico”? A Pegada Ecológica é um reflexo do impacto humano nos ecossistemas terrestres. O índice que determina qual é a demanda humana pelos bens e recursos da natureza. Esses bens e serviços naturais também são conhecidos como “biocapacidade”. De certa forma, a Pegada Ecológica é um conceito intimamente relacionado aos padrões de crescimento que temos seguido em nossas sociedades até o momento presente. Padrões que não são compatíveis com a sustentabilidade e que comprometem os recursos da Terra sem oferecer alternativas para a regeneração. O consumismo exacerbado sem reflexão é o resultado dessas lógicas tradicionais. Como podemos contribuir para reduzir o tamanho dessa pegada e nossa dívida com os recursos da natureza? O que é “desmaterialização”?

Setembro. Educação inclusiva e universal: Habitantes do futuro sustentável.

educación sostenibilidad

Voltar para a escola não é uma realidade para mais de 260 milhões de crianças em todo o mundo. Segundo dados da UNESCO: um em cada cinco menores não está na escola. A educação para todos os seres humanos no planeta, em seus diferentes contextos e sociedades, deve ser um direito e não um privilégio. É o pilar fundamental sobre o qual basear sociedades igualitárias, livres e preparadas para coexistir em um mundo que defende o desenvolvimento sustentável. Sem educação não há igualdade, riqueza, saúde pública ou bem-estar de qualquer tipo. Lutar contra o analfabetismo, a segregação educacional e fornecer a todos os seres humanos as ferramentas de treinamento necessárias, atendendo às suas necessidades especiais (incluindo deficiência intelectual ou psicossocial ou deficiências múltiplas) é um desafio fundamental. Até que ponto o peso da educação é um índice crucial de sustentabilidade? Como podemos educar nossos filhos para torná-los parte de um futuro sustentável?

Outubro. Consumo “sem fantasmas”: Mês da Poupança Energética

ahorro energético

No dia 21 de outubro, celebra-se o Dia Mundial da Economia de Energia e nós, da Knauf, queremos dedicar todo este mês para refletir sobre os benefícios da economia de energia a curto, médio e longo prazo. Você já ouviu falar sobre o chamado “consumo fantasma”? Calcula-se, por exemplo, que os modos stand by ou standby de eletrodomésticos representam cerca de 7% do total de energia que usamos nos lares espanhóis: 10,7% da energia consumida pelos nossos eletrodomésticos. Efetivamente, a melhor medida é ter um isolamento adequado em nossas residências (pode atingir até 80% de economia de energia). No entanto, no nosso dia a dia, devemos nos conscientizar de como podemos usar a energia da maneira mais ideal. O que podemos fazer para economizar energia em nossas casas e ambientes?

Novembro. O edifício ZERO: um edifício de topo

consumo nulo

Casa passiva, edifícios com consumo de energia quase zero (ECCN), ecodesign, padrão Passivhaus … Na última década, esses conceitos começaram a ser recorrentes e familiares na sociedade. Mas o caminho a percorrer ainda é longo. E tempo (e biocapacidade) pressiona. Conforme explicado no Artigo 9 da Diretiva Europeia 2010/31 / UE, os Estados Membros deveriam assegurar que, até 31 de dezembro de 2020, todos os novos edifícios teriam que ser edifícios de energia quase nula. E os novos prédios ocupados e de propriedade das autoridades públicas também devem ser depois de 31 de dezembro de 2018. Sobre o que realmente estamos falando quando falamos de “quase zero consumo de energia”? Quais são as características mais importantes para considerar que um edifício é “passivo”? Nossas casas são verdadeiramente saudáveis e sustentáveis?

Dezembro. Alianças globais pelo desenvolvimento sustentável

alianzas sostenibles

Organismos como a ONU ou a UNESCO registraram em seu DNA, praticamente desde sua origem, um conceito sobre o qual continuam refletindo, crescendo e se espalhando: “o bem comum universal”. Uma noção que não apenas nos força a pensar além do nosso bem-estar individual ou das necessidades de nossos ambientes, comunidades ou estados. O bem comum universal nos move ainda mais na busca da proteção de um tipo de elemento indispensável para a saúde do planeta e de todos os que nele habitam. Exemplos de redes como a Global Action Plan International (cuja secretária geral, Marilyn Mehlmann, é uma das 30 visões que inspiram o nosso #Sustentável Manifesto) nos parecem altamente sugestivos. Como podemos capacitar todos os agentes sociais para viver e trabalhar de maneira cada vez mais sustentável? Aproveitaremos o último mês do ano para analisar como sua (e nossa) viagem foi através das fórmulas da sustentabilidade. De Knauf queremos ser inspiradores e catalisadores desse novo caminho, gerando fortes alianças a nível local e global. Você quer fazer parte do nosso movimento?

Sustentabilidade também é … uma corrida de longa distância em que cada minuto conta. Participe do nosso manifesto e nos ajude a continuar delineando as linhas que traçarão um futuro sustentável para todos os habitantes da área. Junte-se a nós nesses 12 objetivos mensais e compartilhe sua visão e experiência conosco. Vamos construir juntos os pilares do bem-estar universal e da sustentabilidade.

2019-03-13T18:35:12+00:00Sustentabilidade|

Deixe um comentário