Sustentabilidade, eficiência energética e bio-habitabilidade

A arquitetura sustentável, tanto em novos edifícios como em reabilitação, tem como objetivo principal melhorar o consumo de energia, preservar os recursos naturais e, em geral, reduzir os impactos ambientais, algo de que nos tendemos a esquecer.

As novas tendências na construção, assim como os avanços tecnológicos na indústria, conseguiram uma redução no consumo de energia e nos impactos ambientais, mas precisamos de recuperar mais um conceito: a bio habitabilidade.

Os edifícios devem ser saudáveis, enquanto sustentáveis. Durante décadas foram utilizados materiais e técnicas de construção que não levaram em conta nem os impactos no meio ambiente nem a saúde dos usuários desses edifícios, onde permanecemos mais de 80% do tempo.

Arquitetura do ponto de vista da Sustentabilidade, Eficiência Energética e Bio-habitabilidade (SEEB)

O que é a sustentabilidade?:

Un concepto que a lo largo de los últimos años se ha ido desvirtuando. El compromiso y la responsabilidad de una arquitectura sostenible, es de todos. Los fundamentos sobre una sostenibilidad ambiental, se basa en cómo la arquitectura  afecta a su entorno y a las personas. Deberemos conocer las restricciones que implican su diseño y asegurarnos de la calidad de la edificación. Debemos estudiar los impactos ambientales que puede generar la edificación, así como su relación cuantitativa y cualitativa con el conjunto de los impactos ambientales de la sociedad. Hay que tener una visión crítica sobre la situación actual y las tendencias que marca, y marcar las referencias sobre estrategias de mejora para el sector.

 

Materiais e edifícios:

A  sustentabilidade ambiental afeta diretamente o campo de construção, para que eles têm sido capazes de definir objectivos ambientais relacionados ao consumo de recursos e geração de resíduos no desenvolvimento de projetos de construção, analisando a influência sobre decisões de projeto para todo o ciclo de vida dos edifícios, que inclui a produção de materiais, transporte, construção, uso e manutenção e o fim da vida útil, tanto em novas construções como em reabilitação. Os diferentes impactos que um edifício pode gerar estão no ambiente, energia, materiais, água e resíduos. Os fluxos dos materiais envolvidos no ciclo de vida do edifício devem ser conhecidos. Metodologia do ACV (análise do ciclo de vida), seus objetivos e utilidade, suas fases, suas aplicações e, em particular, suas possíveis aplicações na construção. Conhecer a distribuição e o peso relativo dos impactos gerados nas diferentes fases do ciclo de vida do edifício e os fatores que contribuem para isso.

Edifícios de qualidade: 

A qualidade ambiental dos edifícios, refere-se a boa qualidade do ar, conforto térmico, acústica, ventilação natural e iluminação, entre outros aspectos fundamentais para a saúde das pessoas. A qualidade do ar que respiramos é um dos principais objetivos que os padrões europeus estão enfrentando. Diferentes estudos mostram que o ar interno pode ser contaminado, entre outros, por compostos orgânicos voláteis e também pode ser mais poluído que o ar externo. Síndrome do edifício doente, gás Radon, materiais saudáveis, campos eletromagnéticos … são questões que estão cada vez mais alinhadas com a arquitetura saudável.

 

Eficiência energética:

É um dos pontos marcantes da nossa cultura arquitetónica. As diferentes directivas europeias em torno desta questão, levam-nos a criar edifícios com menor e menor procura de energia, a fim de cumprir o compromisso de Quioto. Para fazer edifícios que funcionem eficientemente, energeticamente falando, temos que adotar medidas passivas (isolar a envolvente do edifício) e ativas (melhorar o desempenho das instalações) que nos ajudam a reduzir a demanda de energia e tornar os edifícios mais confortáveis . Você deve levar em conta fatores esquecidos, como a importância de corrigir pontes térmicas.

Certificações e normativas: 

Atualmente existem maneiras de obter um edifício com critérios de sustentabilidade, otimização dos recursos naturais, recuperação de água cinza, água da chuva, uso de energia renovável … mas parece que cada vez mais, critérios de qualidade do ar interior, conforto dos espaços, importância e o fato de usar materiais que sejam saudáveis e / ou respeitem o meio ambiente. No entanto, as regras que cercam esses conceitos são poucas e diversas, e em alguns países, como a Espanha, não são generalizadas. As principais ferramentas para medir e avaliar a sustentabilidade em edificações são LEED, BREEAM e VERDE, entre outras. Por outro lado, existem também certificações de produtos voluntários e / ou cumprimento compulsório.

BIM (Building Information Modeling):

BIM é uma forma de trabalhar com base no uso de informações coordenadas, relacionadas a todas as características que um edifício pode ter. É por isso que, com o BIM, podemos incentivar a colaboração entre os diferentes profissionais envolvidos no processo de construção, graças a uma plataforma onde todas as decisões podem ser tomadas com base em informações confiáveis dentro do projeto. É também uma ferramenta onde podemos obter informações relacionadas ao ciclo de vida de um edifício.

Uma visão holística da sustentabilidade no edifício é necessária, não apenas abordando a reabilitação energética ou os diferentes impactos ambientais que a construção ou reabilitação de um edifício pode produzir, mas também incorporando conceitos como bio-habitabilidade, para tornar os edifícios mais saudáveis.

2019-03-07T08:23:23+00:00Sustentabilidade|

Deixe um comentário